30 dezembro 2008

Silêncio Interrompido 27/12/08

ADEMAURO COUTINHO

ADINHO VIDAL

CHARLES MARINHO

EDVALDO CARNEIRO

FELIPE ANDRADE

NINHO DO RAP

PHILIPPE WOLLNEY

SANDRO GONZAGA

THIAGO ALBERT

WENDELL NASCIMENTO


SILÊNCIO INTERROMPIDO

Recital Poético para encerrar as atividades poéticas de 2008.

Realizado na praça 13 de Maio (praça João Pessoa) no dia 27 de Dezembro de 2008 na cidade de Goiana, teve a participação de poetas e músico da cidade, contando com a participação dos poetas Ademauro Coutinho, Adinho Vidal, Charles Marinho, do poeta cordelista Edvaldo Carneiro, Felipe Andrade com os versos Augustinianos, os músicos Ítalo Pay, Mônica e Tácio, e os poetas, Ninho do RAP, Philippe Wollney, Sandro Gonzaga, Thiago Albert, Wendell Nascimento.


O Silêncio Interrompido agradece a participação de todos, e a contribuição de Ítalo, Clóvis, Jairo, Dona Guiomar, Lucinha e Iêda que sem a tamanha compreensão não seria possível nossos delírios.

"Balança mas não cai"
Era o único morador dum corpo prestes a ruir. Ficou a ver as rachaduras
crescerem e a ouvir os estalidos da vida rangendo em seus ossos.

(Francisco Espinhara)

Um comentário:

mere disse...

Na realidade, tecer comentários diante desta ação seria impossível diante da minha ausência. Todavia, o pouco visto em vídeo, espaços visitados e relacionamentos interpessoais estabelecidos com alguns dos poetas populares de Goiana foi o suficiente.
Inicialmente, gostaria de ressaltar o quanto é significativo para mim e acredito para outras pessoas estarem diante deste Movimento Poético de Rua. Isto me faz lembrar às tantas lutas já estabelecidas por inúmeros cidadãos que caminhavam e caminham contramão da: injustiça, desigualdade, preconceito e exclusão.
É evidente que eu, quanto Educadora, não poderia deixar de citar a influência desses Jovens Poetas na vida de muitos, principalmente a de algumas Crianças Goianenses, ao estimularem a produção e o desenvolvimento de poemas e poesias, através da participação na finalização do ano letivo da Escola Santos Dumont . É oportuno socializar que o Auge da festa para os Alunos, Amigos, Familiares, Professores e Convidados foi à interação dos poetas mirins e poetas populares, entre eles Coutinho, Gonzaga, Wollney e concluintes do Ensino Fundamental I da mesma Unidade de Ensino pois declamaram as suas produções literárias e textos publicados dos autores já consagrados como Clarice Lispector, Manoel Bandeira e Carlos Dumont de Andrade. Mas o grupo foi ao delírio mesmo quando Philippe Wollney recita Trem de Ferro, texto de Manoel Bandeira, com toda interpretação e sonoridade possível e necessária para que tornasse lúdico e especial o momento.
E ao lembrar destas e tantas outras experiências acreditamos que a voz da Resistência ressoa nos quatro quanto desta Cidade e respinga em outras tantas, como exemplo Recife e Camaragibe, meus espaços de atuação e de origem. Mas Lembrem-se que, É Tão imoral ter nossa voz silenciada, nosso corpo interditado quanto imoral é o uso da voz para falsear a verdade, para mentir, enganar e deformar. (Paulo Freire)
Desta forma, vou-me embora, não para Pasárgada, e sim para Camaragibe com a certeza de que AQUI o Silêncio encontra-se Interrompido!!!
Bjs, Cheiros e Abraços:
Mere Coutinho