05 outubro 2011

Silêncio Interrompido

No silêncio do desprazer
A desgraça que é procurar e não achar.
Sinto-me num quarto fechado
De cortinas incrivelmente brancas,
Pés quentes pra qualquer morto puxar,
Tenho a óbvia idéia
De bagunçar os quadros
Quebrar os vasos
Abrir as portas do armário.
O que eu quero...
Não à normalidade
“Tão certo”, nos leva à loucura
O protesto, nos deixa mais perto da razão.

Geisiara Lima

Um comentário:

Liedja disse...

esse puxão de pé foi o verdadeiro empurrão dessa poesia. amei o impacto literário e o apelo fúnebre. Liedja marques